Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida com dois sentidos

Vida com dois sentidos

Um fim de tarde...

Estou sentada na cama a ouvir música e a ler o livro "Just Kids" quando tu me ligas a perguntar se queria ir contigo sair. Aceitei. Corri até ao meu guarda-roupa para escolher uma roupa decente para vestir, visto que estava com uns calções e uma camisola velhos. Mandei-te uma mensagem a perguntar onde íamos. Tu respondeste segundos depois. íamos passear pela praia.

Vesti uns calções brancos, um top vermelho e rosa às riscas e calcei as minhas sandálias. Desci as escadas de casa a correr, passei pela sala para avisar a minha mãe que ia sair. Esperei por ti junto ao portão de minha casa.

Apareceste no final da rua. Vinhas vestido com umas calças de ganga e uma t-shirt. Olhei para a tua cara. Vinhas com o teu sorriso lindo estampado no rosto. Chegaste ao pé de mim e disseste "Olá princesa" e deste-me um beijo. Deite a mão e puxei-te em direcção à praia.

Chegamos aos passadiços e descalçei as sandálias enquanto tu descalçavas as tuas sapatilhas. Olhei-te em desafio. Percebeste o meu olhar.

Peguei nas minhas coisas e desatei a correr praia fora. A praia estava deserta pois já era fim da tarde.

Senti os teus braços à volta da minha cintura e os teus lábios no meu pescoço. "Apanhei-te" disseste-me tu ao ouvido. "Isso não vale! Eu distrai-me a olhar para a praia!" respondi-te eu enquanto me virava para te olhar. Riste-te da minha expressão de zangada. "Oh princesa, para a proxima eu deixo-te ganhar, sim?" advertiste-me tu."Está bem, está bem batoteiro".

Agarraste na minha cintura e fizeste força para trás. Caímos os dois.

Comecei a percorrer a tua face com beijos. "Amor pára, por favor" pediste-me tu. Não percebi o porque de me teres feito tal pedido. Olhei-te nos olhos e aí percebi. Tinhas os olhos com uma cor escura. Consequência do desejo que estavas a sentir. "Ups! Desculpa..." disse-te um pouco envergonhada.

"Não faz mal amor. Olha, sabes do que é que eu me estava a lembrar?" perguntaste-me tu.

"Não".

" Do nosso primeiro encontro e do nosso primeiro beijo. Foi aqui lembras-te?".

"Claro que me lembro tótó! Como é que eu me poderia esquecer de uma coisa dessas?".

Sentaste-te encostado a uma pedra e depois puxaste me para ti. Ficamos ali até tarde a recordar a nossa bela história de amor.

 

******

Aqui está outro textito!

Espero que gostem e que comentem!

 

O mais importante...

Corro por entre árvores e arbustos densos procurando por ti. Olho em frente e vejo-te. Acelero a minha corrida e tento chegar a ti o mais rápido possível. Mas, mais uma vez, quando chego onde supostamente tu deverias estar, não está lá ninguém. Sinto-me frustada, magoada e sem esperança. Procuro por ti em todos os sítios possíveis e imagináveis. Não te encontro. Sinto a tua falta. Chamo por ti pela milésima vez. E, pela milesima vez, não respondes. Continuo a andar e a olhar para todos os lados, nesta floresta sombria, para ver se te vejo e se te consigo alcançar.

Olho em frente e vejo uma pequena casa. Essa pequena casa era feita de madeira e tinha umas enormes janelas. Fui até lá. A porta estava entreaberta. Empurrei a porta e vi-te.Estavas junto à lareira virado de costas para mim.

Entrei e fechei a porta. Comecei a ouvir pequenas gotas de água a bater nos vidros das janelas. Olho para fora através destas e vejo que está a chover. Volto a minha atenção para ti.

Percorro a distância que nos separa e abraço-te deixando a minha cabeça pousar nas tuas costas musculadas. Sinto as tuas mãos em cima das minhas e sinto a tua tentiva de fazeres com que eu te largue. Afastei-me de ti. Tu viraste-te e assim vi os teus olhos.

Nos teus olhos vi amor, paixão e desejo. Acabaste com a pequena distância que havia entre nós e depositas um beijo na minha testa, nos meus olhos, nas minhas bochechas, no meu nariz, no meu queixo e só no fim na minha boca.

Entreabrimos as nossas bocas ao mesmo tempo e deixamos que as nossas línguas se encontrassem e fizessem a habitual "dança". Ao nosso redor conseguia ouvir o fogo a queimar a madeira na lareira, a chuva a bater nos vidros da janela e o vento a abanarem as árvores que cercavam a pequena casa. Mas, neste momento, nada disso importava. O que importava erámos nós os dois. A paixão, o amor e o desejo que exalava de cada um de nós.

 

 

******

Mais um texto! :)
Espero que gostem e que comentem :)

 

Companhia...

 

“Ao final do dia, quando tudo termina, tudo que a gente mais quer é estar perto de alguém.

Então essa coisa onde a gente mantém distância e finge não se importar com os outros é geralmente uma besteirada.

Então nós escolhemos aqueles que queremos permanecer próximos e, uma vez que escolhemos tais pessoas, tendemos a manter contacto.

Não importa o quanto machuquemos elas, as pessoas que ainda estão contigo ao final do dia são aquelas que se vale a pena manter. E, claro, às vezes próximo pode ser próximo demais.

Mas, às vezes, aquela invasão de espaço pessoal pode ser exactamente aquilo que você precisa”

 

 

(Grey's Anatomy)

 

Adolescente... Mulher...

 

 

 

 

Vejo, agora, no espelho uma adolescente...

Vejo nessa adolescente um olhar triste, magoado, desiludido...

Vejo lágrimas a correm lhe pela cara e as mágoas a caírem nessas mesmas lágrimas...

Vejo uma adolescente que se tornou mulher...

Tornou-se mulher porque sofreu o que mais ninguém sofreu e o que ninguém imagina...

Foi abandonada pelos pais quando era pequena... Foi abandonada pelo namorado já em adolescente... E, por último, foi abandonada por todos os amigos...

Agora, olhando-se ao espelho, pergunta a si mesma o que terá feito para que toda a gente que ama a abandone...

Sente repulsa e raiva de si mesma... Sente que não serve para nada e que já não tem por quem viver ou objectivos que a façam viver...

Olha para o armário que está ao seu lado e vê uma tesoura...

Pega na tesoura e abre-a...

Sente que deve fazer isto...

Sente que deve morrer...

Sente que não está a fazer nada neste mundo e que não fará falta a ninguém...

Puxa a manga da camisola para trás e põe a tesoura aberta junto ao braço...

E, é nesse momento que recebe uma mensagem...

Uma mensagem do seu ex-namorado...

Nessa mensagem, o seu ex-namorado pedia desculpa e pedia que esta volta-se para ele...

A adolescente deixou cair a tesoura perto dos seus pés e sentou-se junto à banheira a chorar...

A chorar de felicidade e a chorar de alívio...

 

**********

Este texto está um pouco sombrio... Não sei o que me deu para escrever isto...

Aqui está mais um texto! :)

Espero que gostem e comentem.


1 ano! :)

Hoje faz 1 ano que nos falámos.

Hoje faz 1 ano que tu me mandaste aquele e-mail.

Hoje faz 1 ano em que se iniciou uma grande amizade.

Podemos ainda não nos conhecermos pessoalmente, mas para mim, tu és mais que uma amiga, és como uma irmã.

Eu sei que posso confiar e contar contigo para tudo!

Só tenho a dizer que te AMO!


 

Futuro...

“Passamos toda a vida nos preocupando com o futuro.

Fazendo planos para o futuro.

Tentando prever o futuro.

Como se desvendá-lo fosse aliviar o impacto.

Mas o futuro está sempre mudando.

O futuro é o lar dos nossos medos mais profundos e das nossas maiores esperanças.

Mas uma coisa é certa: quando ele finalmente se revela, o futuro nunca é como imaginamos".

 

(Grey's Anatomy)

Tu, Eu, Nós...

 

Percorri a sala com os olhos procurando por ti... Vi-te ao fundo desta sentado numa cadeira a conversar com os nossos colegas de turma.

Estavas com um sorriso malandro na cara, como se te estivesses a preparar para fazer alguma asneira. Depois percorreste tu a sala com os olhos, paraste em mim e puseste a língua de fora. Fiz o mesmo. Disseste em silêncio "Amo-te". Fiz um sorriso tímido. Logo de seguida recebi uma mensagem tua a dizer para esperar por ti no final do dia, no portão da escola. Respondi-te com um "Ok" e um "Amo-te".

Voltei a concentrar-me na professora que dava a palestra sobre História.

As horas, os minutos e os segundos passavam muito devagar... Esperava ansiosamente pelo fim do dia para puder estar contigo, para te puder beijar e abraçar...

Chegou a hora do almoço e eu dirigi-me para a cantina. Sabia que as minhas amigas estavam a falar comigo e a comentar e combinar tudo para a feitura do nosso trabalho de História, mas estava tão focada em ti que não conseguia entender nada do que elas diziam... Mais uma vez, o meu corpo estava num sítio e a cabeça noutro...

Uma das minhas amigas abanou-me e perguntou-me se estava tudo bem. Respondi-lhe afirmativamente. Concentrei-me no que elas estavam a combinar e deixei-te a um canto na minha cabeça, pois só faltavam 3 aulas para estar contigo.

No meio de aula de matemática vieste-me tu outra vez á cabeça. Os teus olhos azuis, os teus lábios carnudos, as tuas bochechas rosadas, o teu cabelo acobreado... Só queria que o tempo passasse rápido. Só faltam mais duas aulas, pensei.

Na aula de português tínhamos de escrever uma composição sobre um momento marcante da nossa vida. Como podes imaginar escrevi sobre o nosso primeiro encontro.

Finalmente chegou a ultima aula. Inglês. Passei a aula toda irrequieta. Queria que os 90 minutos passassem depressa. Fui chamada algumas vezes à atenção por estar distraída, mas nada disso importou pois ia estar contigo depois daquela aula.

Soou o último toque. O toque de saída. Fui a passo apressado para o portão da escola. Percorri o recinto com o olhar e avistei-te. Estavas encostada à parede de um dos pavilhões principais perto do portão da escola. Fui até ti. Deste-me o teu sorriso lindo e disseste-me um "Olá" tímido. Respondi-te com um sorriso de orelha e orelha e com um "Olá" nervoso. Pegaste na minha mão, puxaste-me mais para ti e deste-me um beijo. Olhei para os teus olhos e consegui "ver" a tua alma. Consegui "ver" a tua felicidade por estares comigo. Consegui ver o brilho nos teus olhos. Deste-me mais um beijo, mas desta vez na bochecha. Cheguei a minha boca perto do teu ouvido e sussurrei "Amo-te".

 

*******

Outro textinho acabado de ser escrito.

Mais uma vez repito : Isto não é para ninguém e não fala de ninguém em especial!
Apeteceu-me escrevere saiu-me isto.

Espero que gostem e que comentem.

Pág. 1/3