Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida com dois sentidos

Vida com dois sentidos

O mar

À minha frente vejo as ondas rebentaram umas atrás das outras, sinto o cheiro do mar e sinto o meu corpo a relaxar, a libertar-se do stress que nos últimos tempos me têm afetado. Fecho os olhos e penso como seria se eu fosse uma onda, como seria se eu vivesse no meio do vasto oceano que se estende à minha frente. Tento imaginar como seria viver sem contacto humano, sem a tecnologia, sem a rotina, sem o stress... Talvez tivesse a vida facilitada, talvez deixasse de ser "assaltada" com todos estes sentimentos, talvez tivesse paz...
Sozinha na praia deixo todos as minhas angústias e os meus medos virem ao de cima... Cai uma lagrima... E outra... E outra... Sinto-me leve a cada lágrima que deixo cair, a cada medo que vem ao de cima... Deixo que o mar puxe tudo aquilo que não quero ter comigo...
O mar... A areia... O som das ondas... O por do sol... Levanto-me e viro costas a tudo o que me deixa angustiada... O mar levou tudo... Regresso à realidade e deixo um sorriso crescer na cara... Estou mais livre sem dúvida.

Final do ano lectivo

 

E o final do ano chegou faz hoje uma semana e com ele trouxe as tão esperadas e merecidas férias.

Foi um ano extremamente complicado para mim, mas agora que chegou ao fim sinto-me orgulhosa de mim própria porque consegui ultrapassar as barreiras que existiram ao longo destes 9 meses.

No início, em Setembro, eu estava completamente em pânico, chorava imenso, não queria aceitar que as coisas tinham mudado e que tinha que me integrar num ambiente totalmente diferente do que estava habituada. Eu nunca gostei de mudanças e esta sem dúvida foi a que me custou mais.

Tinha medo que, ao longo do tempo, as amizades que eu tanto prezo se fossem desvanecendo e que todos nós seguissemos caminhos diferentes sem olhar para trás... A verdade é que todos nós seguimos caminhos diferentes, mas continuamos juntos e acho que esta separação nos fez bem a todos, pois acho que a nossa amizade está mais forte, em certos casos.

Foram 9 meses de luta, de trabalho, de nervos à flor da pele, de crescimento (muito!), de aprendizagem... Conheci pessoas completamente diferentes de mim, com ideologias de vida completamente difrentes da minha. Foram estas pessoas que, de forma inesperada, me fizeram ver que nem sempre as mudanças são más mas que também não são espetaculares. Assisti a situações que me marcaram, que fizeram com que eu me perguntasse se este era mesmo o meu caminho. Estive no meio de situações que me fizeram ver que, ao contrário do que disse anteriormente, eu estava num bom caminho.

Durante este percurso acho que me tornei mais forte, mais persistente, mais lutadora, mais confiante. Acho que me tornei numa pessoa melhor.

Nunca desistir!

(sou eu)

 

 

“São os pequenos erros da vida que nos fazem ficar mais forte a cada dia que passa.”

Durante o meu pequeno percurso de vida aprendi que, por vezes, fazemos escolhas erradas e que nos podem fazer cair vezes e vezes sem conta, aprendi que não podemos cruzar os braços a cada adversidade ou não podemos parar por ter medo de errar.

Eu já errei, já fiz escolhas erradas, mas nunca desisti. Aprendi com cada queda, com cada escolha errada que fiz e tornei-me mais forte. Aprendi a sorrir e a lutar contra as adversidades que, por vezes, aparecem na vida.

Nunca devemos desistir e devemos sempre aprender com tudo aquilo que fazemos.

Pág. 1/3