Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida com dois sentidos

Vida com dois sentidos

Saudades


Sou uma pessoa saudosista. Tenho saudades de tudo um pouco. Quer seja uma coisa pequenina que me tenha acontecido ou alguma coisa que me tenha marcado para o resto da vida. Ultimamente, é o que mais tenho sentido. Saudades. Saudades. Saudades. Das mais pequenas coisas que, secalhar, se foram perdendo em mim com o tempo e foram dando espaço a outras que são menos boas. A ingenuidade, aquela alegria que nunca me deixava, o sorriso que me era tão característica e que não saía da minha cara. De ser pequenina e de não ver maldade em nada. 

Tenho saudades da minha antiga turma. De entrar na sala e ouvir um "bom dia" que me aquecia o coração, de olhar para as pessoas e de sentir que aquelas são as minhas pessoas. O barulho, as risotas, o companheirismo. Este e, nos últimos dois, também tinha tudo isto, mas era completamente diferente. 

Tenho saudades da minha melhor amiga. Dos seus abraços, da segurança que ela me costuma transmitir, de sentir que ela não vai sair da minha beira aconteça o que acontecer. Das nossas coisas, brincadeiras, conversas, de quando não discutíamos por nada deste mundo. 

Se eu sei lidar com as saudades? Sei, mas à medida que o tempo passa, torna-se mais difícil estar longe das pessoas que mais gostamos. Sempre que recordo certos momentos, o meu coração fica pequenino, pequenino, porque gostava de voltar a passar por tudo. Não tirava nem um segundo do que vivi com certas pessoas que, ainda hoje, fazem parte da minha vida (a Bia,a Teté, Anita, a Mariana, etc.). São as pessoas de quem mais gosto e de quem mais orgulho tenho e sei que, mais para a frente, vou ter saudades de tudo o que vivi com elas no passado, como tenho tido. 

Sou uma pessoa que passa a vida com saudades e não há nada a fazer. 

*

 

Quando eu deixei de olhar tão ansiosamente para o que me faltava e passei a olhar com gentileza para o que eu tinha, descobri que, de verdade, há muito mais a agradecer do que a pedir.

Preciso mesmo!



Tenho imensas decisões para tomar e ando perdida no meio da minha cabeça... Acho que vou enlouquecer! 

Odeio chatear as pessoas que mais gosto com os meus problemas, mas preciso mesmo de falar com alguém! 

Espero conseguir organizar bem esta cabeça...

Natal


Já aqui disse que não gosto de Natal. Quando era pequenina adorava a época natalícia. Era significado de muitos presentes, da família (da mãe ou do pai, dependia do ano) junta, de muita animação, brincadeira, etc. Agora não gosto.

Desde que a minha avó morreu esta época deixou de fazer sentido. Falta lá uma parte que é essencial. Falta lá aquela pessoa que sabia por a ordem em tudo. Aquela que mesmo não estando na sala, sabíamos que estava lá só pelo cheiro que deixava pela casa toda.

Quando não passava o Natal com a minha avó paterna, pois era o ano da família da minha mãe, sabia que um pouco antes das 11 da noite de dia 24 ia receber uma chamada sua. Sabia que ia ouvir a sua voz rouca, que habitualmente me enchia o coração só com "Minha neta". A minha avó faz falta. 

A falta da minha avó não é a única razão da minha puca animação quanto ao Natal. Para mim, os dias que antecedem o Natal e os que o precedem são dias de grande "falsidade". Todas as famílias tem problemas - umas mais do que outras, é certo, mas têm - e, por vezes, esses problemas prolongam-se durante o ano. Há quem não possa ver familiares há frente, personalidades que são tão incompativéis que quando se juntam dá asneira. Eu pergunto: porque é que no Natal, e só mesmo nesses dias, é que se esquece tudo? Porque é uma festa de família? Porque é que as pessoas suportam certas coisas neste dias e não suportam no resto do ano? É uma coisa que eu não entendo...

Se se juntam é para serem verdadeiros, é para ser tudo resolvido e não para fingir que está tudo bem. Um dia, talvez perceba esta lógica do Natal... Mas, para já, fico com a minha opinião.

Vamos ao Brasil!

 


Ontem foi dia de jogo da seleção.Dia de alegria, festejos, muitos nervos, de muito sofrimento e, principalmente, de orgulho (muito)! 

Foi um bom jogo! A equipa podia ter feito um brilharete, mas tiveram alguns contratempos, o que não impediu que o resultado final fosse muito bom!

Por muito que queira falar da equipa toda, tenho de dar o destaque ao Cristiano Ronaldo. Houve uma altura em que não gostava nem um bocadinho dele. Achava-o super convencido. Não gostava. Não tinha uma razão concreta para o fazer, mas era aquela coisa que se entranha em nós e não há explicação.

Agora, gosto dele. Acho que, à medida que foi crescendo, foi mudando a sua atitude. Foi-se tornando mais humilde. Foi-se tornando mais homem. Foi-se tornando mais consciente de todo o mediatismo que existe há sua volta e foi-se deixando estar na sombra para não alimentar histórias que só o prejudicariam.

Como já disse, a minha opinião mudou. Ele é o melhor. Digam o que disseram, não há melhor do que ele. Ele é gozado, desrespeitado e alvo de muitas críticas, mas não deixa de ser o melhor. Ele nasceu para jogar futebol, apesar de tudo. Ele ama o que faz e trabalha para ultrapassar tudo e todos. 

O jogo de ontem foi um abre-olhos para muita gente. Um senhor de nome Blatter foi completamente calado. Como se anda a dizer... Falem mal dele, gozem com ele, que o Ronaldo vai acabar sempre por mostrar que isso não o afeta.

Está de parabéns! 3 golos foram os que marcou ontem. Foi ele (sem tirar o mérito ao resto da equipa como é óbvio) que fez com que a nossa seleção ganhasse e tivessemos sido apurados para o Mundial do Brasil. 

E para acabar, se este ano ele não for considerado o melhor do mundo, então o mundo do futebol anda completamente virado do avesso. O Messi é bom, muito bom, mas o Ronaldo ultrapassa-o em muito nas atitudes quer em campo, quer como pessoa, quer como figura pública (não me matem, por favor!). Este ano, o melhor do mundo - tal como sempre foi - será o Cristiano Ronaldo.

Pág. 1/2